Na esquina da bucólica Avenida de Friedland com a Rua Chateaubriand, o Royal Hôtel, construído em 1906, sucede a uma longa tradição de localizações de célebres hotéis e edifícios de forte impressão romântica.

Primeiro ocupado por dois pequenos hotéis de arquitetura gótica e chinesa, construídos pelo Conde de Lamscone e verdadeira curiosidade arquitetural parisiense da época, o edifício entra definitivamente na história romântica de Paris com um pequeno castelo de três torres, com seu parque ornamentado por fontes e grutas, ocupado por Arsène Houssaye (célebre homem de letras francês, 1815-1896). Qualificado por Émile Zola como "o último grande carvalho da floresta romântica", o autor, a quem Baudelaire dedicou poemas em prosa do "Spleen de Paris", mandou construir em seu lugar um hotel em estilo renascentista, onde vários artistas gostavam de se encontrar durante as célebres "Terças-feiras de Arsène".

O hotel foi destruído pela abertura do Boulevard Beaujon em 1857, quando da reorganização de Paris pretendida por Napoleão III, deixando assim lugar ao magnífico edifício haussmaniano atualmente ocupado pelo hotel, que prolonga assim a história romântica do número 33 da Avenida de Friedland.

Preços e disponibilidades